Pedras Grandes, no sul catarinense, terá ensino da língua italiana na rede pública, garante prefeito Marcon nos festejos dos 140 anos

0
2075

Com duas sessões solenes – uma na Assembleia Legislativa, em Florianópolis, e outra na Câmara Municipal de Tubarão – a comunidade ítalo catarinense comemorou, dias 26 e 27 de abril últimos, o 140º aniversário da chegada dos primeiros imigrantes italianos na região Sul do Estado. O evento, organizado pelo Comvesc – Comitê das Associações Vênetas de Santa Catarina, incluiu também uma visita a Azambuja, no município de Pedras Grandes – a pequena localidade onde aportaram as primeiras 90 famílias, totalizando 291 pessoas, que, procedentes de Treviso, Verona e Mantova, primeiro chegaram em solo sul catarinense.

As comemorações foram carregadas de elogiosas referências àqueles “heróis” que deixaram para trás uma Itália então pobre e vieram em busca de sorte melhor em terras desconhecidas” e que acabaram emprestando valiosa contribuição à formação de importantes núcleos urbanos regionais. Hoje, os ítalo descendentes ainda formam 85% da comunidade de Pedras Grandes, cujo prefeito, Vilson Tadeu Marcon, anunciou a introdução do ensino da língua italiana na rede municipal de ensino. Por Azambuja passaram também os imigrantes que, um ano após, formaram o hoje município de Urussanga e outras comunidades limítrofes.

Sem falar nos movimentos de imigração interna, principalmente a ítalo gaúcha na região Oeste do Estado, Santa Catarina viveu momentos distintos da imigração italiana direta: a primeira (e a mais antiga em todo o Brasil), em 1836, com a chegada de 180 imigrantes originários de Sardenha, que fundaram a colônia Nova Itália, no vale do rio Tijucas, onde hoje se situa a cidade de São João Batista. Outro momento tem início em 1875, com a vinda da leva trentina que fez nascer cidades como Rodeio, Rio dos Cedros, Ascurra e outras do Vale do Itajaí e o momento do Sul, iniciado em 1877 com Azambuja, que seguiu depois com Urussanga e Grão Pará (colonização mista, em 1878) e que só foi encerrado em 1895, com a última leva de imigrantes italianos que se dirigiram a Rio Jordão,mais a sul, já às vésperas da Revolução Federalista.

As comemorações organizadas pelo Comvesc, sob a presidência de Fabíola Cechinel, com o apoio de Antonio Fachin Filho (consultor vêneto para o Estado), contemplaram, além das sessões solenes, visitas a lugares históricos da imigração italiana como o Museu ao Ar Livre de Urussanga, que mantém um centro de documentação histórica sob a responsabilidade do museólogo Idemar Ghizzo, um dos homenageados na Alesc, ao lado de outros “batalhadores pela cultura italiana” na região. O mesmo aconteceu em Tubarão, município a que pertencia Azambuja antigamente, durante  concorrida sessão na Câmara Municipal.

Segundo o pesquisador (e um dos homenageados) Eusébio Pasini Tonetto, esta é “uma história que teve início há 140 anos desde que o primeiro grupo com 291 imigrantes vênetos e lombardos, depois de trinta dias por mar e por rio desde o porto de Havre, na Alta Normandia, França, com paradas no Rio de Janeiro, Desterro e Laguna para trocas de embarcações, e mais doze dias por terra a partir do porto de Morrinhos, em Tubarão, chegaram à Colônia Azambuja, atualmente Distrito de Pedras Grandes”.

À sessão da Alesc, solicitada pelo deputado Cleiton Salvaro, compareceram  outros políticos ítalo catarinenses, como os secretários Leonel Pavan (Turismo, Cultura e Esporte), Vicente Caropreso (Saúde), Ada Faraco De Luca (Justiça e Cidadania), os deputados José Nei Ascari e Serafim Venzon, além dos também homenageados cônsul geral da Itália em Curitiba, Enrico Mora (que na oportunidade representou também o embaixador da Itália no Brasil, Antonio Bernardini) e a deputada italiana Renata Bueno. Foram homenageados, ainda,  Joares Ponticelli, Fabio Porta (ausente), Myrian Castelli, Fabiola Cechinel, Ademir Magagnin, Vadionir Rocha, Júlio Cesar Colombo, Aldo Sergio Sanciro Ghislandi, Zefiro Giassi, Sirege Maria Freitas, Sergio Maccari, Sergio Roberto Maestrelli, Josi Spillere, Desiderio Peron, Nirlan Luiz Bortolotto, Terezinha Possenti, Gilson Antonio Fontanella, Renato Damian, Idemar Ghizzo, Adilcio Cadorin, Eusebio Pasini Tonetto, Pe. Nivaldo Ceron, Pe. Osvaldir Ribeiro Mendes, Hélio Soratto, Fernando Zancan, Juliana Salvador, Edna Felisbino Ghizzo e Juraci Brocca.

Na sessão da Câmara Municipal de Tubarão foram homenageados Foram homenageados Joares Ponticelli, Aroldo Frigo Junior, Renata Bueno, Myriam Castelli, Ivo Stapazzol, José Warmuth, Eusébio Pasini Tonetto, Desiderio Peron, Ruy Luiz Machado, Roger Gnecco, Grupo Coral Ricordi d´Itália,  Geraldo Correa, Maria Antonieta Perito Margot, Radio Tubá – Programa Italiano “Tutti Buona Gente”, Maria da Gloria Bardini e o Padre Nivaldo Ceron.

A freira Mirian Castelli, uma das homenageadas e que é apresentadora da Rai – Radio e Televisão Italiana (programa dominical sobre cristianidade, só acessivel através de TV a cabo), fará um serviço especial sobre o evento a partir do domingo próximo.