Prefeito de Nápoles e Região da Campânia abraçam a ideia do “turismo de retorno”, diz Mezzogiorno. “Um golpe na máfia da cidadania”

713

Descendentes de imigrantes italianos provenientes da Região da Campânia interessados no reconhecimento da cidadania italiana por direito de sangue poderão, em breve, contar com a ajuda da própria Região para atingir seus objetivos. O anúncio está sendo feito pelo conselheiro da Câmara Ítalo-Brasileira da Indústria e Comércio de Santa Catarina, Diego Mezzogiorno, que recentemente esteve na Itália tratando da instalação dos consulados italianos para Florianópolis e Vitória, no Espírito Santo.

Conforme a entrevista concedida à distância por Mezzogiorno na noite de 13/06, quando ainda se encontrava em Roma, o prefeito de Nápoles, Luigi De Magistris, está plenamente de acordo em colocar em prática um programa de “turismo de retorno”, favorecendo especialmente os descendentes de imigrantes campanos. Também o governo da Região da Campânia estaria disposta a apoiar a iniciativa que prevê inclusive ajuda aos “filhos da terra” que pretenderem conhecer seus lugares de origem.

O projeto, segundo Mezzogiorno, será um “golpe mortal sobre a máfia da cidadania”, pois inverteria totalmente as coisas: conforme a proposta, os descendentes contariam com o apoio dos municípios de onde vieram seus ancestrais para encontrar parentes e, ao mesmo tempo, teriam facilitado pelos municípios e pela Região todo o procedimento de pesquisa e burocrático para o reconhecimento da cidadania italiana.

Um “bônus” concedido pela Região poderia contribuir inclusive para o pagamento de parte da passagem, enquanto a hospedagem, além da casa de eventuais parentes que cada município se encarregaria de procurar encontrar para os “visitantes”, poderia ser dirigida para lugares disponibilizados pelo próprio governo local.

Mezzogiorno diz que o prefeito Luigi De Magistris ficou muito entusiasmado com a ideia e que ele já tinha em mente algo semelhante depois de uma recente visita aos Estados Unidos. Também a Região, através da secretária de internacionalização, Valeria Fascione, demonstrou interesse no projeto que, futuramente, segundo Mezzogiorno, “poderia ser estendido a outras regiões da Itália”.

Ficou combinado, segundo Mezzogiorno, que será encaminhado a De Magistris toda a descrição do pré-projeto que – segundo anuncia o conselheiro – foi encomendado a Daniel Taddone e a Fabio Vicenzi, dois candidatos a deputado nas últimas eleições para o Parlamento italiano. Com isso na mão, a Região da Campânia e o Município de Nápoles deverão colocar em prática o que já foi anunciado nas redes sociais por Mezzogiorno como “turismo de retorno” na terra de seus antepassados.