Maestro Sangiorgi: “A música tem que ser assistida ao vivo”. Concerto gratuito ao povo da Grande Curitiba. Quem teme a música clássica?

367

A comunidade da Paróquia Santa Terezinha de Lisieux, em Colombo-PR, teve oportunidade, ontem (09/05) à noite, de apreciar a música erudita sem pagar um tostão. Obras de Gioachino Rossini, Maurice Ravel, Jacques Offenbach, Franz von Suppé, Georges Bizet, Manuel de Falla e Domenico Cimarosa foram executadas pela Orquestra Sinfônica do Paraná – OSP que, sob a regência do maestro ítalo-brasileiro Alessandro Sangiorgi, foi aplaudida diversas vezes durante as cerca de duas horas de concerto que lotou a igreja.

Popularizar a música erudita, ou clássica, é um dos objetivos permanentes do maestro Sangiorgi, um italiano de Ferrara que está no Brasil há cerca de 30 nos e que, depois de ter conduzido a OSP durante anos, dirige atualmente a Orquestra Sinfônica da Universidade de Londrina – Osuel enquanto se dedica também a um projeto chamado “Viver a Música”, em Curitiba, onde reside. Desde o início do ano, esse projeto já levou a música clássica a diversos municípios da Grande Curitiba, entre eles Quatro Barras, Mandirituba e São José dos Pinhais.

O programa envolve não apenas o público adulto, mas também crianças que, nos dois dias precedentes ao concerto principal, recebem noções de música orquestral e participam de concertos especialmente produzidos para o público infantil. A maioria das pessoas que assistem a esses espetáculos nunca teve contato antes com a música erudita executada ao vivo. A despeito das modernas tecnologias, “a música tem que ser assistida ao vivo”, diz o maestro, apostando sempre no “efeito avassalador” que uma apresentação ao vivo produz sobre as pessoas.

Sangiorgi, que é também cidadão brasileiro, já dirigiu orquestras famosas no Brasil e no mundo inteiro, inclusive no Leste Europeu, onde tem convite a hora que quiser. Recentemente, ele entrou também no campo da composição ao criar 27 músicas inéditas para a opereta “Janaína não seja boba”, produzida e dirigida pelo dramaturgo também italiano que vive em Curitiba, Roberto Innocente (capa da edição de abril da revista Insieme), com quem agora inicia a produção de uma ópera rock, além de dois musicais infantis.

O maestro conta sua experiência ao entrar no campo da composição em entrevista exclusiva a Insieme deste mês de maio, de que é matéria de capa. Na próxima semana (14 a 16), o programa “Viver a Música” (da Secretaria de Cultura do governo do Paraná) será bisado em São José dos Pinhais, na sede do Sesc.