Após reunião geral, Lorenzato anuncia candidaturas: Pastore ao Senado e ele à Câmara. “Eles não têm base para fazer maioria”, diz, enquanto Merlo prefere o silêncio por ora

626

“Estamos mais compactos e coesos que nunca. O Pastore (Luis Osvaldo) foi confirmado como candidato ao Senado da aliança para a América do Sul e eu para deputado” declarou a Insieme no início desta noite o deputado Luis Roberto Lorenzato (Lega), ao sair de uma reunião convocada pelo ainda ministro Matteo Salvini com todos os deputados e senadores do partido, em Roma.

Ao contrário do senador Ricardo Merlo (Maie) que prefere o “silenzio stampa” por enquanto, conforme ele sinalizou no final da tarde, Lorenzato afirma que a Lega (sozinha teria hoje 40% das intenções de voto, segundo diz) está  em negociação com a Forza Italia, de Berlusconi, e Fratelli d’Italia, de Giorgia Meloni, para, “além do bloco de centro-direita, aglutinar também as listas cívicas, que são um fenômeno por toda a Itália”.

Segundo Lorenzato, “Salvini está decidido a disputar as eleições o quanto antes” e “acreditamos que o presidente da República Mattarella convocará as eleições o quanto antes”. A tendência, disse Lorenzato, “é eleições em outubro; eles não têm base para fazer maioria”.

Lorenzato diz que “o desespero do Movimento 5 Stelle é tão grande” que estão arguindo  a quebra do contrato (documento firmado pelos dois partidos para a formação do atual governo) na questão da redução dos parlamentares. “Mas isso não é verdade porque uma vez que você aprova o corte dos parlamentares, por um ano você tem que remodelar, refazer a lei eleitoral, convocar referendum, então fica o governo travado por um ano. É uma jogada deles para colocar isso em pauta e segurar a aliança por mais tempo”.

O que “está pegando”, ainda segundo Lorenzato, é a tentativa de uma aliança do M5S com o PD – Partido Democrático, cujos integrantes “já estão com medo de perder as poltronas e então tentam fazer um acordão para manter o Conte” como presidente do Conselho de Ministros através de uma nova maioria no Parlamento. “Mas isso – aduziu Lorenzato – é bem improvável, porque o próprio PD também está rachado”.

Para Lorenzato, uma união entre o PD e 5 Estrelas seria “o fim dos italianos no exterior: PD quer a mudança da Lei da Cidadania; o 5 Estrelas também quer; o 5 Estrelas não reconhece os italianos no exterior, então realmente vai ser um jogo difícil se eles conseguirem se unir, fazendo um governo de maioria de esquerda; isto vai ficar muito ruim para os italianos no mundo”.

O deputado Lorenzato diz que a Lega não tem medo das eleições, “não estamos preocupados com as poltronas e com os cargos, estamos prontos para a batalha”.