Festa do Cinema Italiano começa quinta-feira. Berlusconi e suas noitadas ‘bunga bunga’, além de documentários sobre Michelangelo e Caravaggio são destaques

345

Com o apoio da Embaixada e da rede consular italiana, tem início na próxima quinta-feira (8/8), a “8½ Festa do Cinema Italiano” que, na versão 2019, além de dobrar sua duração, que vai até o dia 21 próximo, amplia seu circuito para 16 cidades do Brasil. O evento traz diversas pré-estreias, entre elas “Silvio e os Outros”, de Paolo Sorrentino, que transporta para a tela um pouco da vida do ex-premier e magnata italiano Silvio Berlusconi em suas atividades políticas e suas famosas noitadas “bunga-bunga”.

Na primeira etapa (de 8 a 14) as projeções vão acontecer em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Curitiba, Niterói, Porto Alegre e Recife, enquanto na segunda etapa, que vai de 15 a 21 próximos, elas acontecem em Belém, Fortaleza, Goiânia, Vitória, Florianópolis, Salvador, Londrina e Natal. Os organizadores prometem “o melhor do cinema italiano”. O valor do ingresso é variável mas, na maioria dos casos, custa R$ 20,00 (meia-entrada R$ 10,00).

De inspiração portuguesa (nasceu em Lisboa em 2008), o evento expandiu sua programação em diferentes países de língua portuguesa e visa “não só promover a qualidade do cinema italiano junto ao público brasileiro, mas também colaborar para que o cinema italiano, e também o cinema europeu, possam encontrar espaço sempre maior na oferta cultural do País”.

Entre as demais pré-estréias estão também “Lucia Cheia de Graça”, de Gianni Zanasi, exibido na Quinzena dos Realizadores no Festival de Cannes 2018; “Noite Mágica”, o novo longa de Paolo Virzì; “Euforia”, filme de Valeria Golino; a história de “Dafne”, de Federico Bondi; “Desafio de um Campeão”, de Leonardo D’Agostini; e “Bangla”, de Phaim Bhuiyan, que acaba de receber o prêmio de Melhor Comédia Italiana de 2019 segundo os críticos italianos.

Os organizadores anunciam ainda a sessão especial de “O Melhor da Juventude”, de Marco Tullio Giordana, “um clássico contemporâneo que faz sua volta à tela grande. Ao acompanhar a saga de uma família dos anos 60 até os 2000, o filme também narra alguns dos anos mais intensos da recente história italiana”. Outros dois filmes produzidos em 2018 – “Michelangelo – Infinito” e “Caravaggio – A alma e o sangue” abordam dois expoentes da criação artística italiana.

“Michelangelo – Infinito”, de Emanuele Imbucci, é, segundo anunciam os organizadores, na verdade, o primeiro filme de arte sobre o gênio do Renascimento e da história da arte universal: Michelangelo Buonarroti. “É um documentário onde o cinema e o mundo da arte se encontram para traçar o retrato do homem secreto e perturbado, capaz de contrastes e paixões fortes, mas também de mostrar grande coragem quando se trata de apoiar as suas crenças e ideologias. Uma personalidade imortal, um dos maiores artistas que o mundo já viu, cuja rica e variada produção artística se tornou um marco na história da arte universal”. “Filmado com as mais avançadas tecnologias de filmagem”, a obra cinematográfica “refaz a principal produção pictórica e escultórica de Michelangelo, mostrando as suas obras mais famosas”, segundo os organizadores.

Já “Caravaggio – A alma e o sangue”, de Jesus Garces Lambert (2018) representa “uma viagem cinematográfica emocionante pela vida, a obra e os tormentos do pintor italiano Caravaggio. Luz e sombra, contrastes e contradições, gênio e intemperança distinguem a sua existência e sua arte. Uma excursão narrativa e visual, filmada em Milão, Florença, Roma, Nápoles e Malta”. É “um dos filmes sobre arte mais visto na Itália”.