IVECO fechará 2006 com 12.000 caminhões vendidos na América Latina e anuncia novo presidente

A partir de 2007, empresa investirá R$ 150 milhões em novos produtos

 u SÃO PAULO-SP – A Iveco fecha 2006 com 12 mil caminhões comercializados na América Latina, alcançando um desempenho semelhante ao registrado em 2005, quando vendeu 11.924 veículos na região. O resultado é considerado positivo porque a empresa conseguiu compensar a retração no mercado brasileiro com a alta demanda pela marca nos mercados argentino e venezuelano, entre outros.

 

Além disso, a empresa fecha o ano no azul. “Vamos terminar 2006 com resultado operacional positivo pelo segundo ano consecutivo na região. Uma empresa financeiramente sólida é a maior garantia que podemos dar a nossos concessionários e clientes”, informa Jorge Garcia, presidente da Iveco Latin America, que fica no cargo até o final deste ano.

 

Depois de dois anos e oito meses na posição, Garcia retorna à Europa, sendo substituído pelo italiano Marco Mazzu, da CNH (veja release anexo).

 

O novo presidente assumirá a empresa com um programa de investimentos já aprovados da ordem de R$ 150 milhões, que serão destinados ao lançamento de novos produtos a partir de 2007. Parte das inversões serão aplicadas também na adequação da capacidade produtiva à demanda local.

 

Isso porque a produção da Iveco na América Latina este ano baterá o recorde histórico, somando 12 mil unidades e a empresa espera crescimento para o ano que vem. A fábrica da Argentina, em Córdoba, está no limite da capacidade de um turno. Em Sete Lagoas a produção de caminhões pesados deve crescer 60% a partir de fevereiro e deverá atingir cerca de 2.000 unidades em 2007.

 

Base produtiva regional

 

“Num ano em que o mercado de caminhões encolheu no Brasil e expandiu em outros, colocamos à prova nossa base produtiva regional e ela foi aprovada”, analisa Garcia. Ele afirma que com fábricas instaladas no Brasil, Argentina e Venezuela, a Iveco pôde contornar os problemas da volatilidade econômica da América Latina.

 

Este ano, por exemplo, o mercado da Venezuela cresceu 25%. “Com uma fábrica na cidade de La Victória conseguimos responder rapidamente à aceleração da demanda”. Na Argentina, as vendas aumentaram em 16% e a Iveco pôde atender a demanda, além de manter e expandir presença em mercados menores como Chile e Colômbia.

 

“No Brasil, o mercado entrou 2006 em retração, o que abriu uma guerra de preços que nós evitamos”, afirma Garcia. A Iveco perdeu market share no Brasil mas pôde, em contrapartida, exportar muito em direção a novos mercados, como países da América Central. “Hoje cerca de 60% da produção de Sete Lagoas vai para o exterior”.

 

Ano movimentado

 

“O ano de 2006 também foi favorável para a Iveco por outros fatores, especialmente porque lançamos diversos produtos e ingressamos em novos segmentos de mercado”, lembra Garcia.

 

Seis novos caminhões pesados passaram a compor a linha de produtos da marca a partir deste ano, dentre eles quatro novos caminhões extra-pesados da família Stralis e o cavalo-mecânico EuroCargo Cavallino, primeiro produto Iveco a concorrer na disputada faixa das 43 toneladas. “Além dos caminhões, passamos a produzir no Brasil duas novas famílias de motores, aumentando o índice de nacionalização de nossos produtos”.

 

Em 2006 a Iveco também nomeou outros cinco novos concessionários da marca, que hoje somam 57 em todo o Brasil. “Já temos contratos firmados com investidores para a abertura de novas revendas em 2007”, adianta Garcia.

 

Nova estruturada operacional

 

Outro ponto de destaque do ano, segundo o presidente Garcia, foi a transferência da sede administrativa da Iveco de São Paulo para Minas Gerais, concluída em agosto, que serviu para aproximar a empresa da fábrica de Sete Lagoas (MG) e do centro administrativo do Grupo Fiat no País. “Ganhamos maior agilidade na tomada de decisões”.

 

Outra mudança de estrutura aconteceu no departamento comercial, com a criação de sete novos escritórios regionais responsáveis pelo atendimento diário à rede Iveco no País.

 

 

Marco Mazzu será o novo presidente da IVECO Latin América em 2007

 

A Iveco Latin America anuncia seu novo presidente para as operações na região. Trata-se do italiano Marco Mazzu, 48 anos, que assume sua nova função a partir de janeiro, em lugar de Jorge Garcia, que ocupava o cargo desde 1º. de maio de 2004 e que agora retorna à Europa para uma nova posição na Iveco.

Casado com uma brasileira e fluente em português, o engenheiro Marco Mazzu já ocupou diversas posições de relevo dentro da estrutura do Grupo Fiat. Antes de ser nomeado para este novo cargo, era presidente mundial da marca New Holland para o setor de máquinas agrícolas, com escritório em Londres (Inglaterra).

Marco Mazzu retorna ao Brasil para sua quarta temporada de trabalho no País. Esteve aqui pela primeira vez entre 1991 e 1994, como diretor industrial da Elevadores  Otis. Depois disso, ingressou para o Grupo Fiat, como diretor industrial da Fiat Automóveis, em Betim, e teve sob sua responsabilidade o início da produção do carro mundial Palio, em 1996. Depois de uma temporada na Fiat Auto, na Itália, retornou ao Brasil no final de 2002 para a CNH, em Curitiba, onde comandou, como diretor-superintendente, a área de tratores e máquinas agrícolas New Holland em toda a América do Sul.

Pelos resultados obtidos naquela posição, em fevereiro de 2005 foi indicado para a presidência da área agrícola da CNH  Europa, assumindo, em seguida, a responsabilidade da marca New Holland agrícola, em nível mundial. “Recebo esta nomeação com prazer e satisfação”, diz Mazzu a respeito da presidência da Iveco Latin America. “Já trabalhei nos Estados Unidos, em países da Europa e da América do Sul. Meus filhos nasceram em três países diferentes mas é no Brasil que minha família se sente em casa.”