Melhorias consulares: Cônsul De Zagon diz que fila da cidadania no Recife termina em dois anos. Embaixador Bernardini anuncia: agora a meta é atender SC e ES

862

Duas boas notícias circularam durante a inauguração da nova sede do Consulado da Itália em Recife, ocorrida dia 5 último: dentro de dois anos, não haverá mais ‘fila da cidadania’ naquela jurisdição, e a reivindicação por melhor atendimento às comunidades de Santa Catarina e Espírito Santo são as próximas metas anunciadas pela Embaixada da Itália no Brasil.

A primeira notícia foi transmitida pelo próprio cônsul Gabor De Zagon, em entrevista a Insieme, logo após a solenidade de inauguração, que contou com a presença do senador e subsecretário para os italianos no Mundo da Farnesina, Ricardo Merlo, e do diretor geral para os Italianos no Mundo, Luigi Maria Vignali, entre outras autoridades. “Existe um pouco de fila, entre 14 e 15 mil famílias, mas estamos trabalhando e e espero acabar com as filas antes de cumprir meu tempo”, dentro de cerca de dois anos, disse De Zagon.

A segunda foi anunciada pelo embaixador Antonio Bernardini, ao se referir ao grande esforço empreendido pela melhoria dos serviços consulares, anunciando que a próxima meta nesse sentido deverá acontecer em Santa Catarina e Espírito Santo. “Durante este ano inauguramos duas novas sedes consulares – em Belo Horizonte e em Recife” – disse Bernardini – e “penso que, continuando assim, conseguiremos”, acrescentou ele ante a anuência sorridente do senador Merlo.

Funcionários do Consulado da Itália em Recife. (Foto Desiderio Peron / Revista Insieme)

Segundo Insieme pode apurar na oportunidade, já há um convencimento por parte da Farnesina (Ministério das Relações Exteriores e Cooperação Internacional) de que é possível aceitar a ajuda de governos terceiros para alavancar os serviços prestados às comunidades italianas esparramadas pelo mundo. Assim, vencida essa etapa formalmente, seriam aceitas as ofertas de sede e estrutura logística que estão sendo oferecidas pelos governos estaduais de Santa Catarina e do Espírito Santo para a instalação gradativa de melhores serviços às comunidades italianas dos dois Estados.

A fórmula, ainda segundo as mesmas fontes, seria a de agências consulares de primeiro grau, que funcionariam com estrutura e funcionários próprios sob a coordenação geral dos consulados da Itália em Curitiba e no Rio de Janeiro respectivamente.

A nova sede do consulado da Itália em Recife ocupa um andar inteiro da imponente Torre Carlos Pena Filho, no Centro Empresarial Queiróz Galvão, à Rua Padre Carapuceiro, 706, no bairro de Boa Viagem. Segundo o presidente do Comites – ‘Comitato degli Italiani all’Estero’ do Recife, Daniel Taddone, a nova sede “é um passo bastante importante para a comunidade italiana do Nordeste, porque, de fato, as instalações da antiga sede não eram condizentes com o decoro”. Também o conselheiro do Brasil no CGIE – ‘Consiglio Generale degli Italiani all’Estero’, Cesare Villone, presente à solenidade, falou sobre a importância da nova sede consulado para o Nordeste.

Em seu discurso, durante a inauguração e, depois, em entrevista a Insieme, o senador Ricardo Merlo disse que, com a sua indicação para a função de subsecretário para os italianos no mundo, isto é, de um eleito no exterior, mudou completamente o relacionamento do governo italiano com as comunidades italianas no mundo. No período de seis meses – Merlo conta cinco, pois agosto foi de férias – “começamos a mudar os rumos: abrimos novos consulados como no Panamá, República Dominicana, aqui hoje no Recife… e estamos procurando melhorar os serviços consulares”, enfatizou ele, e “pouco a pouco, as pessoas começarão a perceber isso”. Os governos dos últimos dez anos investiram “praticamente zero” em políticas voltadas aos italianos no exterior, sobretudo em serviços consulares.