Antecipando campanha, Fanganiello promete combater a “indignidade” das filas e da taxa da cidadania. E também a “anti cidadania dos feudos”

0
243

Com a aprovação de nova lei eleitoral, a Itália se prepara para renovar o Parlamento em eleições que deverão ocorrer em março próximo, movimentando toda a estrutura política italiana. Em consequência, também na Circunscrição Eleitoral do Exterior, com cerca de quatro milhões de eleitores, começam as definições de candidatos e candidaturas.

No Brasil, que integra a área da América do Sul, sai na frente o nome de Walter Fanganiello Maierovitch, um magistrado aposentado de São Paulo que, alheio a prazos e composições, está  em campanha já desde o final de julho. Ele almeja uma cadeira na Câmara dos Deputados. Pelo fato de ser um nome novo na política ítalo brasileira, desde o início despertou curiosidade, inclusive dos atuais eleitos que, assim que for dissolvido o Parlamento pelo presidente Sergio Mattarella, deverão buscar a reeleição.

Quem é e o que pensa Fanganiello sobre as principais questões que envolvem a grande comunidade ítalo brasileira, é o que Insieme procura responder, seguindo a linha adotada desde a primeira eleição por correspondência envolvendo os italianos  no exterior, em 2006.

A relação de Walter Fanganiello Maierovitch com a Itália não é de hoje. Pelo lado profissional, ela vem de seu tempo de juiz de Direito, quando, por obrigação de ofício, cruzou com o mafioso Tommaso Buschetta, um dos mais importantes membros da “Cosa Nostra” siciliana, preso em Itapema-SC em 1972 e falecido em Nova Iorque em abril de 2000, e também, por via de consequência, com o juiz italiano Giovanni Falcone e sua equipe. Pela via familiar, essa relação é de berço e vem pelo lado materno. Treze anos de burocracia e processos perante os tribunais romanos renderam-lhe o reconhecimento da cidadania italiana por direito de sangue com sotaque ‘molisano’.

Em abril último, numa de suas viagens de trabalho à Itália, o magistrado recebeu um convite. Amigos, colegas e políticos o imaginaram Senador da República pela Circunscrição Eleitoral do Exterior. Poderia, assim, juntar-se a eles no Parlamento e, na Comissão Parlamentar Antimáfia, continuar o grande trabalho que o notabilizou para muito além das fronteiras brasileiras no combate ao crime organizado. Ele sentiu “heroica pancada” no peito, como diz . Aceitou, mas não como candidato ao Senado. “Meu perfil é para deputado”, sentencia. E, sem esperar a abertura formal dos prazos para as eleições da próxima primavera italiana, viu levantar-se a bandeira de sua candidatura.

Desembargador aposentado do Tribunal de Justiça de SP, 70 anos, o ex-ministro no governo de Fernando Henrique Cardoso (Secretaria Nacional Antidrogas) escreveu em seu site um longo texto onde explica “Por que quero ser deputado”: “Nunca fui político. Não me filiei a partidos políticos, mas sei muito bem, como ensinou com todo acerto Max Weber, pai da sociologia, que a política deve ser encarada como serviço e não como profissão” justifica o jurista.

Agora está nas fileiras do “Articolo 1 – Movimento Democratico e Progressista”, de esquerda, formado por ex-integrantes do ‘PD – Partito Demococratico’. “Somos europeistas, pela manutenção do euro e pela solução humanitária dos problemas migratórios. A nossa doutrina social coincide integralmente com a do papa Francisco”, escreve ele em seu site de campanha.

No dia seguinte ao protesto organizado diante do Consulado Geral da Itália em São Paulo, na Avenida Paulista (12/10), conversamos a manhã inteira com o candidato em seu escritório na sede do CIEE – Centro de Integração Empresa-Escola, em São Paulo, onde ocupa uma das três vice-presidências do Conselho de Administração da entidade. Seu trabalho ali, como diz, é diário e dativo.

Até o dia da entrevista, Fanganiello não tinha ainda certo quem seria  o candidato a Senador pelo seu partido. Apostava todas suas fichas no ex-ministro Rubens Ricupero, a quem muito admira e de quem obtém igual admiração. E apoio declarado.

Na entrevista gravada e dividida em diversos vídeos que publicamos a partir desta página, Fanganiello, que é fundador e presidente do IBGF – Instituto Brasileiro Giovanni Falcone de Ciências Criminais,  conta um pouco de suas origens, sua infância, sua vida de magistrado e suas atividades atuais, que vão desde o trabalho dativo no CIEE e numa paróquia de bairro até os comentários na Rádio CBN e artigos em jornais e revistas, que preenchem seu dia inteiro e lhe permitem algum exercício físico (a natação é sua paixão e disciplina desde jovem) somente após as 21 horas.

Mais do que faz ou fez, falou do que pensa sobre os principais temas que envolvem a comunidade ítalo brasileira. Após prometer sinceridade (cuja etimologia que faz questão de explicar a partir do “sine cera”) e mesmo arriscando “perder votos”, ele ataca o que chama de “a anti cidadania dos feudos”, localizados, por exemplo, nos Patronatos; condena a intromissão de partidos políticos brasileiros nas eleições italianas; denuncia a interferência da Fiesp – Federação das Indústrias de São Paulo no financiamento de campanhas; desautoriza o atual senador Fausto Longo por não saber falar o italiano; ridiculariza “representantes” que só fazem posar nas fotos ao lado de autoridades e poderosos; promete deixar por escrito que, sendo contra a reeleição, nunca se recandidatará ao mesmo cargo. Mais, com sua experiência na área, assegura que vai combater os “negócios” que estão por trás das dificuldades criadas para se obter o reconhecimento da cidadania por direito de sangue e outras do gênero.

A taxa de 300 euros, cobradas por um direito fundamental de todo cidadão que é o seu registro de nascimento e as chamadas “filas da cidadania” merecem de Fanganiello a qualificação de “indignidade”. No mundo inteiro o registro civil é um ato gratuito. “Isso não pode ser cobrado em hipótese alguma” – sentencia ele.

“Como se cobrar o registro do cidadão, que é o primeiro aviso do Estado; esse cidadão que depois pode ser chamado até para uma guerra; esse cidadão que terá deveres para com o Estado, até dever de colaborar com o imposto sobre a renda – uma colaboração destinada a ajudar os outros (…) só falta a Itália cobrar também pelo registro de óbito…”, raciocina o jurista.

Na mesma linha, ele ironiza as informações sobre a anunciada devolução aos consulados de parte dos recursos arrecadados com a taxa da cidadania. “Como é que se constrói isso?”, pergunta. Falando de “cidadãos de primeira e segunda categoria”, o candidato chama atenção para suas propostas que estão no site e destaca que considera o tema “cidadania” matéria de “política de estado”.

Dentre outras propostas no campo social, diz que pretende levar à Itália a experiência brasileira bem sucedida do CIEE, que favorece a inclusão de milhares de jovens no mercado de trabalho.

O candidato admite que tem “muita dificuldade de pedir o voto do eleitor”. Sua estratégia está baseada nas palestras que vem organizando Brasil afora, inclusive em outros países, como a Argentina. E aposta nos modernos meios de comunicação, nas redes sociais. “Esse pedir voto é uma coisa que está muito marcada pelo clientelismo, pela corrupção. Eu sinto dificuldade”, confessa.

Mas não acha justo e democrático que ele só vá ter acesso à lista de eleitores regularmente inscritos no Aire (a lista oficial de eleitores italianos no exterior) nos últimos dias, enquanto quem foi eleito ou foi candidato em eleições anteriores tem a lista em mãos desde sempre. Mesmo que defasada parcialmente, é a lista de eleitores, diz ele. “Isso não é republicano”.

Para melhor conhecer o candidato, inclusive sua luta contra o crime organizado e pela extradição de criminosos como Cesare Battisti, aconselhamos ouvir o que ele diz nos vídeos que produzimos a partir da entrevista do dia 13 de outubro último. Saberá porque chama seu compromisso com os eleitores ítalo brasileiros e ítalo sul americanos de “pacto de sangue”.