Em organização um debate nacional com candidatos ao Parlamento Italiano. Será o primeiro da história na América do Sul

927
Mezzogiorno: um debate para contribuir pelo esclarecimento dos eleitores (Foto Desiderio Peron / Arquivo Revista Insieme)

Um debate envolvendo os candidatos ao Parlamento Italiano nas próximas eleições, marcadas para o início de março, está sendo costurado pela Fundação Nacional Ítalo-Brasileira – FNIB e Revista Insieme, envolvendo outros veículos ítalo brasileiros. O debate deverá acontecer na primeira quinzena de fevereiro. “Será a primeira iniciativa do gênero e deverá contribuir para a mobilização dos eleitores (o voto italiano não é obrigatório) e para o próprio processo de escolha dos cidadãos ítalo-brasileiros com direito de voto”, segundo disse o presidente organizador da Fnib, Diego Mezzogiorno, de Florianópolis-SC.

O debate, além de ser transmitido ao vivo em rede nacional (a requisição foi encaminhada à TV Câmara através de deputados ítalo-brasileiros na Câmara dos Deputados do Brasil, nesta sexta-feira), deverá ser veiculado através das redes sociais de cada um dos participantes do evento, “para a mais ampla difusão de ideias, propostas e conceitos dos candidatos que se propõem a representar, no Parlamento Italiano, a maior comunidade itálica do mundo fora da Itália”, conforme explica Mezzogiorno.

Todos os candidatos conhecidos já foram contatados, e a “adesão tem sido instantânea por parte da maioria dos pretendentes”, acrescenta Mezzogiorno. A intenção inicial era que apenas um representante de cada corrente política em disputa participasse do debate, mas diante da evolução dos fatos, provavelmente terão espaço garantido todos os candidatos formalmente inscritos na disputa, que envolve, em todo o Brasil, cerca de 400 mil eleitores (os números oficiais de cidadãos com direito de voto ainda não são conhecidos).

Em 32 de outubro último, os inscritos regulares nos Consulados italianos que operam no Brasil somavam 520.172, mas não se sabe quantos dentre eles eram maiores de idade, isto é, eleitores.

O debate em organização interessa também aos cidadãos italianos residentes nos demais países da América do Sul, já que os candidatos podem receber votos de qualquer um dos eleitores nela residentes, fato que amplia o público para algo próximo de 1,4 milhão de eleitores.

No grupo fechado “Cidadania Italiana – Área Livre” do FaceBook, que congrega cerca de 110 mil inscritos, a ideia de um debate ganhou corpo hoje, com as notícias de candidaturas que começam a tomar corpo após a dissolução do Parlamento, antes do Natal, abrindo o processo eleitoral italiano. “Nós, que estamos articulando e organizando isso desde o final de novembro último, ficamos felizes ao ver que a ideia é defendida por mais pessoas, preocupadas com o esclarecimento sempre maior dos eleitores sobre o processo eleitoral italiano realizado até aqui quase em silêncio, dado ser através do voto por correspondência”, finalizou Mezzogiorno.