Uma “ouvidoria independente” nos consulados italianos será o primeiro ato do deputado Lorenzato. Mas ele não adianta como será

1290
Luis Roberto Lorenzato, deputado recém-eleito ao Parlamento Italiano. (Foto Divulgação/Insieme)

Seu primeiro ato como deputado no Parlamento italiano será a criação, de imediato, de uma “ouvidoria independente” junto aos consulados italianos, garantiu no início da tarde o advogado Luis Roberto Lorenzato (Lega), considerado eleito nas últimas eleições do dia 4. Ele, que chegou ontem de Roma, para onde torna amanhã, acredita numa “agenda positiva para o crescimento econômico” da Itália depois que seu partido, integrando a coligação de centro-direita, despontou na liderança com os votos recebidos.

“Quero agradecer  a todos que confiaram seu voto e dizer que serei o deputado de todos os italianos, independente de ideologias partidárias”, disse ele na entrevista em que atribui sua vitória, em primeiro lugar a Deus, pois “confia na providência divina”, e também ao empresário Luiz Osvaldo Pastore, candidato ao Senado não eleito pela mesma coligação.

“Tenho certeza que conseguirei mudar a forma como somos vistos e considerados”, disse ele ainda na curta entrevista concedida por escrito. Entretanto, Lorenzato (seu nome completo é Luis Roberto de San Martino-Lorenzato da Ivrea) não explica como será formada, nem como funcionará, essa ouvidoria consular. Confira:

Como recebeu a notícia da eleição para Deputado no Parlamento Italiano? Esperava?

Nós fizemos campanha acreditando na vitória em virtude da vontade dos eleitores em mudar definitivamente as relações da Itália com os italianos na América do Sul.

A que atribui a sua vitória? Sente-se preparado, desafiado e estimulado?

Primeiro a minha eleição foi vontade de Deus! Eu sou católico praticante e confio na providência divina! Sem dúvida, a decisiva a participação do visionário empresário Luiz Osvaldo Pastore que desceu no campo de batalha como candidato ao Senado e, juntos, construímos o formato das propostas e modelo de soluções para a comunidade italiana as quais foram bem aceitas. Estou preparado pois sou advogado especialista em direito constitucional e internacional, também atuei como Cônsul Honorário na diplomacia, além da minha experiencia como empresário. Estou muito estimulado pois ouvi os desejos de mudanças que a comunidade italiana deseja.

Que podem os ítalo-sul-americanos, em especial os ítalo-brasileiros esperar do deputado Lorenzato?

Eu, graças a Deus e humildemente dizendo, sou um realizador e tenho certeza que conseguirei mudar a forma como somos vistos e considerados.

Como analisa o resultado geral dessas últimas eleições na América do Sul, com denúncias de fraudes e baixíssima afluência?

Ficou claro que os italianos não querem mais a esquerda no governo. A baixa afluência se dá pela forma como somos tratados e considerados. Por isso é necessário uma plataforma em Português e Espanhol para darmos ciência aos milhões de italianos que nasceram na América e tiveram o contato apenas com antigos dialetos como o Vêneto, Calabrês Siciliano etc. Não é justo cobrar que falemos o italianos fluente se mal conseguimos obter o reconhecimento oficial de nossa cidadania. Na Itália existem as minorias linguísticas e a Itália tem que reconhecer um maravilhoso ativo que são os milhões de italianos fora da Itália que falam Português e Espanhol, sendo as línguas mais faladas no mundo e isso é uma riqueza cultural!!!

Qual será sua primeira iniciativa como parlamentar?
A Ouvidoria. Será criada de imediato uma ouvidoria independente!

Das propostas e promessas realizadas, quais as que, efetivamente, pretende colocar em prática e como fará?

Eu irei trabalhar para realizar todas as propostas!

Falava em cidadania automática. Acha isso realmente factível? Como?

A cidadania é automática. Do ato do conhecimento pelo direito de sangue (“jus sanguinis”) não passa a ser italiano do dia que obteve o passaporte, mas sim do nascimento. Pelo entendimento jurídico, não havendo renúncia ou interrupção, a pessoa é cidadã italiana e o consulado deve automaticamente prover a inscrição no Aire e emitir o passaporte.

Denunciou, durante a campanha, entre outras coisas, o uso de listas privilegiadas contendo dados consulares por parte de candidatos. Levará adiante tais denúncias exigindo apuração?

Quem apura eventual crime é a ‘Procura della Reppublica’.

Como será seu diálogo com eleitores e toda a comunidade ítalo-brasileira e sulamericana?

Será o mais próximo possível.

Como vê o quadro político italiano pós eleição de 4 de março?

Eu vejo que finalmente iremos ter uma agenda positiva para o crescimento econômico.

Outras considerações que queira fazer

Quero agradecer a todos que  confiaram seu voto e dizer que serei o Deputado de  todos os italianos independente de ideologias partidárias!