Ministro Furlan libera R$ 10 milhões para o Centro de Biotecnologia da Amazônia

PATROCINANDO SUA LEITURA

u MANAUS-AM – O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Luiz Fernando Furlan, anunciou durante a III Feira Internacional de Manaus, a liberação de R$ 10 milhões para o Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA). O recurso será utilizado na continuação do processo de implantação dos laboratórios do Centro, que hoje conta com 11 unidades em funcionamento, com equipamentos de última geração.

O investimento foi confirmado por Furlan durante visita ao CBA como parte de sua agenda em Manaus, onde abriu a III Feira Internacional da Amazônia (FIAM), evento que acontece no fim de agosto inicio de setembro.

 Desde quando foi lançado, em 1998, o centro tecnológico voltado à transformação de matéria-prima da biodiversidade amazônica em produtos já recebeu R$ 40 milhões do governo federal.

“Este é um projeto no qual decidimos apostar por ser estratégico, por significar um instrumento capaz de gerar emprego, renda e desenvolvimento sustentável a partir da biodiversidade da região”, ressalta Furlan. Segundo ele, o potencial do CBA será ampliado a partir das parcerias que o centro já começa a fazer com empresas e institutos de pesquisa.

Com a nova verba liberada pelo MDIC, cinco novos laboratórios serão implantados ainda neste ano, afirma o coordenador do CBA, Imar César de Araújo. “Os equipamentos já estão comprados e nossa meta é estarmos com 80% do CBA implantado em 2007, quando vamos colocar em funcionamento outros quatro laboratórios”, explica o coordenador do centro tecnológico.

 

Parcerias

 

Há dois anos com os primeiros laboratórios funcionando plenamente, o Centro já começa a firmar seus primeiros contratos e parcerias com institutos de pesquisa. Imar informa que o CBA está trabalhando no desenvolvimento de corantes e inseticidas naturais e de produtos funcionais, como energéticos, com altas concentrações de vitaminas e para diabéticos.

Com a Empresa Brasileira de Pesquisas Agropecuárias (Embrapa), afirma o coordenador, o Centro está definindo um acordo de cooperação. “Nesse ano, devemos formalizar dez acordos de cooperação com instituições de pesquisa. São pelo menos 25 interessadas, com pesquisas concretas, com as quais podemos trabalhar”.

Imar revela que também há empresas interessadas em trabalhar com o CBA para o desenvolvimento de cosméticos e perfumes a partir de matéria-prima regional. “Queremos trabalhar com projetos, fazer parcerias com empresas, institutos de pesquisa, juntar forças, recursos e desenvolver produtos”, resume o coordenador.