Em defesa de “instituto” que preside, Renata Bueno pede “punição rigorosa” aos envolvidos na máfia da cidadania italiana

2197

A sucessão de notícias sobre fraudes no processo de reconhecimento da cidadania italiana por direito de sangue publicadas por parte da imprensa italiana – e agora também da brasileira – está levando algumas empresas que atuam no setor a procurarem se descolar da péssima imagem que passaram a ter os chamados ‘assessores’. Uma delas é o “Instituto da Cidadania Italiana”, que tem sede em Curitiba e que tem – conforme diz sua presidente, a ex-deputada Renata Bueno – “como objetivo principal o fortalecimento da cidadania italiana e da cidadania brasileira, em conjunto e para o benefício de todos”.

Em nota distribuída à imprensa na tarde desta sexta-feira, a ex-parlamentar encaminha uma “Carta aos ítalo-brasileiros” em que defende “punição rigorosa para os envolvidos no esquema de corrupção e fraude para a concessão de cidadania italiana investigado pela Polícia Federal, Ministério Público Federal e autoridades italianas”. Ela classifica a investigação realizada no Brasil como a ‘Lava Jato da Cidadania’ e diz que há mais de cinco anos trabalha “para denunciar os golpes”.

O “Instituto da Cidadania Italiana” funciona no bairro do Juvevê, em Curitiba, desde o ano de 2014 e, segundo Renata, foi fundado porque ela percebeu que, “como deputada, não era capaz de dar conta de uma demanda tão grande de pessoas que encaravam problemas com estelionatários”. Renata foi eleita e tomou posse no início de 2013. Eis, na íntegra, a nota distribuída à imprensa pela assessoria da ex-parlamentar:

“Carta aos Ítalo-brasileiros

Os escândalos recentes de corrupção envolvendo cidadanias italianas – escancarados pela “Lava Jato da Cidadania”, que trouxe à tona um caso ocorrido em Curitiba – são lamentáveis, mas não são novidade para mim. A minha trajetória política como deputada ítalo-brasileira coincide com o boom da cidadania italiana como opção de passaporte e, consequentemente, minha luta para desmascarar esses esquemas ilícitos.

Há mais de cinco anos trabalho para denunciar os golpes. São eles, inclusive, o motivo para a fundação do Instituto Cidadania Italiana, uma instituição criada para garantir um trabalho dentro da lei e transparente para os brasileiros interessados em adquirir a cidadania. Esse trabalho começou porque, como deputada, não era capaz de dar conta de uma demanda tão grande de pessoas que encaravam problemas com estelionatários.

Em 2013, quando fui eleita, já recebia muitas mensagens de brasileiros, pedindo orientações e, com certa constância, pedidos de socorro: pessoas que haviam caído em golpes, gastando dinheiro com documentação falsa e, às vezes, viajando até a Itália para perceber que tudo não passava de um grande esquema para conseguir dinheiro de forma ilícita.

Há, inclusive, casos de corrupção envolvendo funcionários públicos. Estes são mais graves, porque sabemos que não é possível tirar a própria cidadania em 20 dias, sem que haja algum tipo de favorecimento criminoso.

Fiquei feliz de saber que as autoridades conseguiram montar um dossiê e denunciar essa máfia. Sempre soubemos que havia um grupo, em Curitiba, que captava pessoas para exigir valores exorbitantes em busca da cidadania. O Instituto Cidadania Italiana reiteradas vezes condenou essa prática. Esperamos, agora, que os envolvidos nessa máfia sejam punidos com rigor.

Nossa prática sempre será de trabalhar com a legalidade, a fim de garantir que as pessoas que atendemos estejam atuando dentro da legislação brasileira e italiana. Temos como objetivo principal o fortalecimento da cidadania italiana e da cidadania brasileira, em conjunto e para o benefício de todos. Renata Bueno, ex-deputada ítalo-brasileira.”