Fanganiello fará dobradinha com Silvana Rizzioli em sua corrida para o Parlamento italiano. E fala de cidadania e passaportes

0
478
Silvana Rizzioli em foto de 1011 (Divulgação / Arquivo Insieme

É Silvana Rizzioli, de Minas Gerais, a candidata ao Senado em dobradinha com Walter Fanganiello Maierovitch, que busca uma cadeira na Câmara dos Deputados nas próximas eleições parlamentares para a renovação do Parlamento italiano.

A informação foi dada a Insieme, em primeira mão, pelo próprio desembargador aposentado que nos próximos dias estará na Itália para a convenção de seu partido, o “Articolo 1 – Movimento Democratico e Progressista”. “A candidata ao Senado, que já aceitou e teve o aval do partido – disse Fanganiello – É Silvana Rizzioli. Ela é esposa do Valentino Rizzioli.” E completou, explicando a escolha: Silvana é “exemplo de liderança feminina, correção ética e disposição para estar junto com os representados. Em síntese, a melhor candidata disparado ao Senado”.

Ambos se antecipam a todos os demais partidos e concorrentes da área da América do Sul no anúncio da consolidação de suas candidaturas. Fanganiello está em campanha eleitoral já desde o final de julho último. Para a revista Insieme, ele gravou uma série de vídeos reveladores de sua trajetória e, principalmente, de seu pensamento. Nas demais tendências e partidos, ainda se especula sobre nomes e posições.

A candidata Silvana Rizziolli, além de acompanhar seu marido na presidência da CNH para a América Latina e na vice-presidência da Fiat Automóveis (hoje ele é presidente da Câmara Ítalo-Brasileira de Comércio, Indústria e Agricultura de Minas Gerais), também desenvolveu importantes papéis junto à Fundação Torino, onde trabalhou para transformar a escola italiana em escola bilíngue ítalo-brasileira e na, depois, União Brasileira para Qualidade, onde foi presidente.

É italiana e veio para o Brasil no início dos anos 1970, acompanhando o marido como o primeiro executivo da Fiat italiana em Minas Gerais, com o objetivo de fundar a primeira fábrica da marca no Estado. Tornou-se cidadã de Belo Horizonte, tem dois filhos e quatro netos. Na década de 90, ela ingressou na Fiat Automóveis com um grande desafio: trabalhar inicialmente na área de desenvolvimento de recursos humanos. Numa entrevista concedida à Câmara, ela disse, certa vez: “Precisamos, hoje, ter uma visão mais ampla do mercado e do mundo, trabalhar com o desconhecido e ser flexível as diversidades, aprender sempre e ter a capacidade de inovar continuamente e rapidamente”.

Com relação a sua viagem à Itália, Fanganiello explica que a convenção do seu partido, prevista para o dia 2, foi transferida para o dia 3 de dezembro em função de uma greve geral. “Poderemos – explica – ter na convenção as adesões de Grasso, presidente do Senado, e Boldrini, presidente da Câmara”. O candidato diz que a “tentativa de Renzi, via Fassino, de construção de aliança com Prodi e Pisapia, está cada vez mais difícil, pois Renzi tem a ideia fixa de voltar a ser o primeiro ministro. Não aceita um terceiro”

Como delegado do Partido, em Roma, explica o candidato, “terei uma agenda cheia de contatos e de visitas. Partirei no próximo domingo, depois de três dias em Vitória”. Em Roma, Fanganiello estará, segundo adianta, com Grasso, que foi magistrado antimafia na Sicília e, como juiz a latere, atuou no maxiprocesso que, pela primeira vez, colocou atrás das grades chefões mafiosos’

“Levo na minha bagagem – explica – a esperança de não termos na Itália aquilo que os alemães chamam (e a Itália incorporou) da “jamaicalização das alianças: imagem decorrente das várias cores da bandeira da Jamaica. No caso, alianças de inúmeras cores partidárias, a levar partilhamento do poder e desespero na formação de maioria parlamentar”.

Na bagagem, ainda – continua Fanganiello -, “levarei questões que tardam a ser solucionadas e, como o caso da cidadania, vão necessitar do estreitamento da representação popular (o representado não pode se distanciar do representante, como vem acontecendo. Quando isso ocorre termina, de fato, a legitimação do eleito). O meu partido, já conversei muitíssimo a respeito, vai se empenhar para uma nova política de Estado, a eliminar a odiosa separação entre italianos de primeira (os com cidadania e documentados com passaporte) e os de segunda classe (esperam anos e tem absurdamente de pagar por ela: no Brasil, e é justo e ideal, não se paga, no Registro Civil, pelos atos registrais dos nascimentos, casamentos e óbitos”.

“Para não me alongar mais – conclui -, registro, pelos reflexos na Itália e em toda a Europa, que estou acompanhando a crise política na Alemanha, com Merkel em dificuldade para continuar como chefe de governo, apesar de ter vencido a eleição de setembro. Na minha mala de viagem os meus quatro filhos já grudaram a frase “In bocca al lupo”.