Merlo diz que não deverá haver limites ao ‘ius sanguinis’. “Acredito que já conseguimos”, afirma ele após “falar com todos”

418

“Este foi um decreto feito pelo Ministério do Interior, de [Matteo] Salvini e nós estamos procurando – e acreditamos que já conseguimos – evitar o fato [restritivo] das duas gerações. Nós não aceitamos o limite de duas gerações; somos totalmente contrários”.

A afirmação foi feita na tarde de hoje pelo senador e subsecretário Ricardo Merlo, responsável pelos italianos no mundo do Ministério das Relações Exteriores e Cooperação Internacional do governo italiano, no retorno a Roma de um período de férias que passou na Argentina. Merlo se referia ao assim chamado ‘Decreto Salvini’ que, ao tratar de temas ligados à imigração em território italiano, incluiu o assunto da cidadania italiana ‘iure sanguinis’, impondo, entre outras coisas, limite geracional de segundo grau à sua transmissão.

“Antecipo que faremos de tudo, e estou convencido que conseguiremos evitar esta coisa de [limitar a transmissão do direito de sangue na] segunda geração”, disse Merlo a Insieme, acrescentando que já travou conversações e intercâmbio de ideias com Salvini e “estou convencido de que conseguiremos”. “Esperemos um pouco e vamos adiante com essa nossa batalha”, acrescentou.

O decreto, estabelece que aos descendentes de segundo grau de cidadãos italianos por nascimento poderá ser reconhecida a posse da cidadania italiana pelo Prefeito do Município italiano de residência ou também pelo chefe do serviço consular da circunscrição de residência no exterior. Hoje a lei não impõe limites geracionais.

Mais tarde, questionado se, entretanto, poderia haver algum limite e qual seria ele, Merlo adiantou que “imagina que não haverá nenhum limite na transmissão da cidadania por direito de sangue. Limitar significa dizer: limitar até uma geração. Isso não acontecerá, seguramente. Estou fazendo de tudo para evitar isso. Estou fazendo de tudo, escrevi a todos, falei com todos e, segundo penso, não haverá limite na transmissão [da cidadania]”, enfatizou o senador Merlo.

Disse ainda Merlo que ele preferiria tirar [do conteúdo] desse decreto sobre imigração na Itália aquilo que diz respeito aos italianos no exterior “porque eu gostaria – e isso anunciei – que seja o CGIE – ‘Consiglio degli Italiani all’Estero’ a debater uma nova lei sobre cidadania, porque é lógico, é bom que haja um debate, porque há pensamentos diversos entre a Europa e América do Sul ou América do Norte.”

“Portanto – prosseguiu -, segundo penso, seria melhor que o CGIE promova um debate e proponha um esboço de lei. Eu gostaria que assim fosse, porém, a decisão de governo é tomada pelo Premier e pelos vices. Eu fiz tudo o que podia e acredito que consegui. Acredito. Vejamos, esperemos… vejamos como evolui a situação. Nós somos totalmente contrários a colocar um limite na transmissão da cidadania italiana “iure sanguinis”.

Merlo finalizou afirmando a Insieme ser “otimista, no sentido de que acredito que, ao final, esse limite não existirá. Depois, este é um esboço de um decreto que em seguida precisa ir ao Parlamento, isto é… fiquemos calmos, trabalhemos juntos, todos, no mesmo sentido”.

A alteração constante do texto do decreto, defendida e aplaudida por alguns assim que foi tornado público, tem forte oposição principalmente no seio da comunidade italiana da América do Sul, principalmente a do Brasil – a maior delas em todo o mundo – onde os serviços consulares não se demonstraram à altura para oferecer resposta às chamadas “filas da cidadania” formadas a partir, principalmente, dos anos 2000. O texto do decreto, inicialmente divulgado pela agência AdnKronos, pegou – segundo disseram o senador Merlo e o deputado Luis Roberto Lorenzato – de surpresa