Porta considera limite geracional “ato grave e sem precedentes” e rotula governo Lega-5Stelle-Maie como “cínico e oportunista”

255
Fabio Porta, em imagem de 2013 (Foto Desiderio Peron / Arquivo Revista Insieme)

Considerando “ato grave e sem precedentes”, o ex-deputado Fabio Porta condena, em ‘comunicado à imprensa’ com data de hoje, o assim chamado ‘Decreto Salvini’ cujo texto pretende limitar a transmissão da cidadania italiana ‘iure sanguinis’ à segunda geração.

Porta se dirige ao governo Lega-5Stelle-Maie para dizer que o ato, que limitaria o direito de “milhões de italianos que vivem no exterior” é grave e sem precedentes “no método antes mesmo de o ser no mérito”.

O ex-deputado Fabio Porta que há havia difundido um vídeo condenando a pretensa medida, observa que “no âmbito de um decreto que pretende combater a imigração clandestina são inseridas normas delicadíssimas que transformariam, de um dia  para outro, o atual arcabouço jurídico-constitucional sobre a cidadania”.

“Confirma-se assim – prossegue a nota – o slogan “Primeiro os Italianos!” do líder da Lega, Matteo Salvini, excluindo ao mesmo tempo os muitos italianos que vivem na Itália e os milhões de italianos que vivem no exterior. Clandestinos os primeiros; esquecidos os outros”. Ontem, o senador Ricardo Merlo havia informado que a limitação constante no texto provisório do decreto já teria sido retirada.

Para o ex-parlamentar e ex-candidato ao Senado italiano, “é grave que o primeiro ato desse governo em direção aos italianos no exterior seja de fechamento, sobretudo se pensamos nas numerosas comunidades que vivem fora dos confins europeus, onde a nova emigração convive com uma emigração histórica fortemente ligada à Itália”.

É, também – continua a nota do secretário do PD para a América do Sul – “triste constatar como isto esteja acontecendo com um governo que, pela primeira vez colocou na condução das políticas para os italianos no mundo exatamente um italiano proveniente da Argentina”.

A nota pede ao subsecretário Ricardo Merlo um “imediato esforço para que o governo retire essa norma, coerentemente com seu mandato e seus compromissos com os nossos concidadãos”.

“Os italianos no mundo – diz ainda a nota – “estão mobilizados com uma petição online e o Partido Democrático, com uma nota que subscrevi juntamente com o novo responsável pelo departamento dos italianos no exterior [do partido), Francesco Cerasani,  confirmou sua absoluta contrariedade à medida”.

Porta termina dizendo que o PD, depois de anos de cortes orçamentários, tinha voltado a investir (com ações e recursos) no grande patrimônio dos ‘itálicos’” e que “não assistiremos inertes o desmonte dessas políticas por parte de um governo que a cada dia se caracteriza mais por um soberanismo cínico e oportunista”. Abaixo o conteúdo, em italiano, da nota:


COMUNICATO STAMPA – 10 settembre 2018
NO ALLA RIDUZIONE PER DECRETO DEI DIRITTI DEGLI ITALIANI NEL MONDO !

Con un atto grave e senza precedenti, nel metodo prima ancora che nel merito, il governo Lega-5Stelle-Maie si appresta a limitare il diritto di cittadinanza di milioni di italiani che vivono all’estero.

Nell’ambito di un decreto che mira a combattere l’immigrazione clandestina vengono inserite norme delicatissime che stravolgerebbero da un giorno all’altro l’attuale impianto giuridico-costituzionale sulla cittadinanza.

Si conferma così che lo slogan “Prima gli italiani!” del leader della Lega Matteo Salvini, esclude allo stesso modo i tanti stranieri che vivono in Italia e i milioni di italiani che vivono all’estero. Clandestini gli uni, dimenticati gli altri.

E’ grave che il primo atto di questo governo verso gli italiani all’estero sia di chiusura, soprattutto se pensiamo alle numerosissime collettività che vivono fuori dai confini europei, dove la nuova emigrazione convive con una emigrazione storica fortemente legata al nostro Paese.

Ed è triste constatare come questo accada con un governo che per la prima volta ha alla guida delle politiche per gli italiani nel mondo proprio un italo-discendente proveniente dall’Argentina.

Chiediamo al Sottosegretario Riccardo Merlo un immediato impegno affinché il governo ritiri questa norma, in coerenza con il suo mandato e i suoi impegni verso i nostri connazionali.

Gli italiani nel mondo, intanto, si sono mobilitati con una petizione on-line ed il Partito Democratico con una nota che ho sottoscritto insieme al nuovo responsabile del dipartimento italiani all’estero Francesco Cerasani, ha confermato la propria assoluta contrarietà a questo intervento.

Il governo del Partito Democratico, dopo anni di tagli, era tornato a investire (con interventi e risorse) sul grande patrimonio degli “italici”; non assisteremo inerti allo smantellamento di queste politiche da parte di un governo che ogni giorno di più si caratterizza per un sovranismo cinico ed opportunista.

Fabio Porta , Coordinamento PD Sudamerica”