Presidente da Toscana anuncia a abertura no Brasil da quinta “embaixada econômica” da região italiana no mundo

384

Escritório de representação da América Latina será instalado em São Paulo. Em Brasília, Claudio Martini se encontra com Lula e ministro Patrus Ananias
 

u SÃO PAULO – SP – Em visita oficial ao Brasil, o presidente da Região da Toscana (cargo equivalente ao de governador) Claudio Martini anunciou no dia 1° de março (2006)  na capital paulista que o Brasil será sede do escritório de representação da região italiana na América Latina. A “embaixada econômica”, nas palavras de Martini, será a quinta no mundo. Os outros quatro escritórios localizam-se em Shangai (China), Moscou (Rússia), Nova York (EUA) e Bruxelas (Bélgica).
 
Segundo Martini, a internacionalização das empresas toscanas se tornará o ponto central do próximo plano regional de desenvolvimento. Isso significa que serão investidos recursos para a atividade empresarial toscana no estrangeiro. O escritório, neste sentido, será uma referência para as empresas toscanas que queiram instalar-se no mercado latino-americano, tendo como base a cidade de São Paulo.
 
No dia 2, Martini se encontrou com o presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Durante a conversa, Lula fez uma piada com o presidente da Toscana. “Alguém me disse que vocês querem disputar conosco uma partida de futebol. Muito bem, mas o Berlusconi (atual primeiro-ministro italiano) também vai jogar?”, brincou Lula. Martini é membro da Democracia de Esquerda (Democrazia di Sinistra em italiano), partido que participa da coalizão de centro-esquerda Unione (União), comandada pelo candidato a primeiro-ministro Romano Prodi, que disputa o poder nas eleições marcadas para os dias 9 e 10 de abril. Outra autoridade presente era Wellington Diaz, governador do Piauí. Seu estado recebe auxílio do governo toscano para a construção de 900 cisternas.
 
Em seu discurso ao presidente Lula, Martini citou a construção das cisternas como exemplo de cooperação solidária e confirmou o interesse de muitas empresas toscanas em estreitar relações comerciais com o Brasil. Em Brasília, Martini também se encontrou com o ministro do Desenvolvimento Social, o secretário executivo do Ministério do Turismo Márcio Favilla Lucca di Paula e o reitor da Universidade de Brasília (UnB) Francisco A. Tourinho.
 
Após a visita oficial de dois dias ao País, Martini seguiu seu tour latino-americano pela Venezuela. Os outros países visitados, antes do Brasil, foram a Argentina e Uruguai.
 
Martini –
Nascido em Tunis, capital da Tunísia, em 1951, é o primeiro presidente de região nato fora da Itália. Quando estudante, apaixonou-se pela política. Foi eleito pela primeira vez para o governo toscano em 2000, com 49,35% dos votos, e reconduzido ao cargo em 2005, com 57,6% pela coalizão de centro-esquerda Toscana Democrática.
 
Único presidente de região italiana presente à cerimônia de posse de Luís Inácio Lula da Silva em 1° de janeiro de 2003, Claudio Martini é conhecido por sua capacidade de estabelecer relações com países em desenvolvimento e do Terceiro Mundo. Neste sentido, empenha-se por uma globalização com rosto humano, que leve em consideração desafios da ecologia, justiça social e ética. Nos últimos quatro anos, publicou três livros com temas relacionados à globalização, pacifismo e meio ambiente.