Pandemia: 475 mortes num só dia na Itália. Sair de casa sem motivo dá multas. Piacentini em nova análise da situação italiana

863

Em nova tele-entrevista a Insieme, Claudio Piacentini fala, a partir de Varazze, na Ligúria, em “milhares e milhares” de denúncias contra pessoas que, nos últimos dias, tentaram agir em desacordo com a principal das normas de combate à pandemia do coronavírus Covid-19 na Itália: ficar em casa e somente sair se houver motivação considerada válida.

Entretanto, o tradutor da Revista Insieme observa que, seja em função da maior conscientização diante da dura realidade, ou seja devido à ação das autoridades policiais, “cada vez mais as pessoas estão ficando confinadas em casa”. Nos jornais italianos de hoje aparecem em letras garrafais o número de mortos num só dia (ontem): 475 em toda a Itália, dos quais, 319 só na Região da Lombardia. “Nem mesmo na China foram registrados tantos mortos num só dia”, escreve o ‘La Repubblica’.

PATROCINANDO A SUA LEITURA

O mesmo jornal informa que somente numa semana, ocorreram 46 mil denúncias (e multas correspondentes) de casos de pessoas encontradas circulando sem um motivo válido. O ministro para políticas juvenis e esportivas, Vincenzo Spadafora (M5S) avisou: Fiquem em casa ou, caso contrário, vamos proibir todas as atividades a céu aberto”.

No início dessa semana, o governo italiano impôs novas normas através de uma lei chamada “Cura Italia”, e Piacentini tece alguns comentários sobre as novas medidas do governo italiano para o enfrentamento da Pandemia. Na video-entrevista ele também fala dos reflexos que a crise está gerando em todos os setores, com destaque para o do Turismo – um dos mais importantes para a economia da Itália.

Na entrevista, Piacentini volta a analisar como está “o moral” das pessoas em pleno confinamento: “Minha sensação é de que o moral está alto, que as pessoas estão muito esperançosas nas medidas adotadas pelo governo e confiam que brevemente a pandemia entre em processo de declínio”.

Piacentini, que acompanha de perto a situação do Brasil, voltou a aconselhar as pessoas a levarem a sério a orientação das autoridades sanitárias, no sentido de se isolarem ao máximo e evitar ambientes com grande número de pessoas, além das demais precauções no campo da higiene pessoal.